Related Posts with Thumbnails

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

A rua é apenas uma fase

Um olho no cliente, outro na polícia, e um terceiro no concorrente. A brincadeira improvisada pelo Flanelinha Murilo Bernardino Pereira, 21 anos de idade, morador de Florianópolis, é entendida quando cruzamos a Rua Marechal Guilherme em direção a Praça Pereira Oliveira. Há um ano e seis meses na ilha, vindo do continente, onde deixou o pai, a mãe, e uma filha de um ano de idade, ele divide aluguel com mais dois guardadores de carros. Murilo, não põe a culpa em Deus, no governo, e na vida, mas entende que o mercado é desumano.

Alguém escolhe ser flanelinha? É um jeito de ganhar dinheiro honestamente. Vim pra cá por necessidade. Não consegui arranjar outra coisa pra fazer, e tenho que sustentar uma filha de um ano.

Como é que as pessoas te tratam? Têm muita gente grossa, mais as madames. Todo mundo acha que você tá aqui pra roubar, mas a gente cuida dos carros. Os viciados e os playboys passam riscando os carros, quebrando antenas, e chutando. Isso a gente não deixa fazer. Mas, tem gente boa também.

A Zona Azul, a polícia, a guarda civil metropolitana incomoda?

Com a Zona Azul o lance é tranqüilo, às vezes a gente compra e vende os cartões deles. A polícia não gosta que a gente fica aqui, eles pedem pra sair, mas não fazem nada com a gente. A Guarda Civil é mais embaçada.

O que é a rua pra você?

Aqui é só uma fase. Quero tirar um emprego com carteira assinada e fazer meu segundo grau. Mas, o lance é que ninguém te oferece emprego, as pessoas marcam a nossa cara. Sou separado, mas tenho filha pra criar. E aqui, é assim: fica esperto porque tem outro de olho na tua vaga.

Nenhum comentário:

  © Blogger template Ramadhan Al-Mubarak by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP